• Desigualdade como desafio para a inovação inclusiva

    27 novembro 2017
    574 Views
    Comments are off for this post

    O desenvolvimento da inovação inclusiva vem sendo discutido entre os participantes do II Simpósio Internacional do Conhecimento e Inovação de Pernambuco (SIGCI) desde o domingo (26). Articulado entre a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e o grupo de pesquisadores em Inovação, Tecnologia e Território (GRITT) da UFPE, o encontro segue até esta terça-feira (28) e a expectativa é que os debates resultem em uma agenda propositiva.

    dsc_4948A abertura do Simpósio contou com a conferência da professora Susan Cozzens, de Georgia Tech (USA), com o tema Alianças do Conhecimento para a Inovação Inclusiva através de uma agenda de pesquisa transdisciplinar. A professora destacou que para enfrentar o desafio de um desenvolvimento inclusivo é preciso considerar as desigualdades. “É consenso: as desigualdades afetam o crescimento, que desacelera quando os ricos ficam mais ricos. Já o PIB cresce quando os pobres estão melhorando de condição”, ponderou.

    Nessa linha, o crescimento inclusivo geraria um desenvolvimento mais sustentável e mais empregos. “É tempo de agir e fazer o crescimento inclusivo”, destacou. Como caminho, Susan cita a busca por uma educação mais acessível, com qualidade e igualdade. Ela reforça que a alta tecnologia é um meio, mas não é o único. “A inovação é necessidade básica e a tecnologia é conhecimento local. Elas precisam estar juntas”, reforçou.

    A secretária de CT&I, Lúcia Melo, participou da abertura e falou sobre a relevância do tema para o país e o mundo. “Precisamos dar conta de entrar nessa nova era industrial e reduzir as desigualdades. Esse tema desperta muito interesse entre os gestores de CTI e desenvolvedores econômicos”, destacou, citando que Pernambuco possui uma estratégia contemporânea (ECTI-PE 2017-2022) para guiar as políticas públicas do estado.

    Experiências – O pesquisador do CONICET (Argentina), Mariano Fressoli, defende as plataformas abertas como forma de fortalecer a inteligência coletiva e acelerar os resultados. “A informação é como um bem de consumo, assim como a terra, água, ar. A tecnologia é a ferramenta e a ciência não deveria ser uma propriedade”, disse, citando ainda o programa Um milhão de Cisternas, entre outras iniciativas, como uma experiência de inovação inclusiva desenvolvida no Brasil.

    Ana Cristina Fernandes, professora e pesquisadora líder do GRITT, abordou a importância das mudanças de conceitos e citou como essas questões estão presentes na Estratégia de Pernambuco. “Nós consideramos as características territoriais como uma condição fundamental. O território é uma construção social, assim como a inovação”, disse.

    Leia Mais
  • Minicurso com Jeffrey Gordon aborda a engenharia e física da vida

    12 setembro 2017
    384 Views
    Comments are off for this post

    Durante sua permanência como professor visitante no Centro de Energias Renováveis (CER) da UFPE, durante três meses, o professor Jeffrey Gordon, da Universidade Ben-Gurion do Negev (Israel), ministrará o curso “A Engenharia e Física da vida”. Os interessados em participar precisam ter domínio de inglês e conhecimentos de física. As inscrições são gratuitas e devem ocorrer por formulário eletrônico. Para inscrições, clique aqui.

    O minicurso tem como objetivo ampliar a visão sobre os aspectos que vemos e como compreendemos a vida ao nosso redor, mostrando como a evolução aconteceu do ponto de vista da física e engenharia. As aulas serão ministradas exclusivamente em inglês e realizadas entre 18 de setembro e 13 de novembro, no CER, nas segundas e quartas-feiras, das 14h30 às 16h. Gordon tem doutorado na Universidade de Columbia, em Nova Iorque, e pós-doutorado no Instituto de Ciências Weizmann, em Israel.

    Mais informações
    Secretaria do CER
    (81) 2126.7326

     

    Leia Mais