Secretário volta à Alepe para falar da importância de CT&I para o desenvolvimento econômico

13 março 2019
174 Views
Comments are off for this post

O trabalho da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper) foi debatido em audiência pública, na manhã desta quarta-feira (13.02), na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). A sessão contou com a presença do secretário estadual de Ciência Tecnologia e Inovação, Aluísio Lessa, que é deputado estadual eleito e está licenciado do cargo em virtude das suas atividades na SECTI. O evento, dentre outros temas, ressaltou o papel da Ciência, Tecnologia e Inovação para a economia do estado.

Ciente da contribuição de CT&I para o desenvolvimento econômico de Pernambuco, o diretor-presidente da AD Diper, Roberto Abreu e Lima, pontuou as ações voltadas para a área apoiadas pela agência: “O Porto Digital tem como meta mais do que dobrar o seu faturamento, que atualmente é de cerca de R$ 1,4 bi para 3 bi. E estamos implantando o maior parque de energia solar da América do Sul, com capacidade três vezes maior do que o agora maior do continente”, explicou.

De volta à Casa de Joaquim Nabuco, Aluísio Lessa compôs a mesa do evento organizado pela comissão de Desenvolvimento Econômico e Turismo, a qual presidiu nos últimos 4 anos. Ele ressaltou a importância do colegiado: “Esta comissão é uma das jóias da coroa do parlamento pernambucano. Aqui, debatemos a economia, identificamos os gargalos e fazemos a aproximação entre os atores. Enquanto a presidi, conquistamos feitos importantes para Pernambuco, como a reativação de duas usinas por meio de cooperativas e o hub da companhia aérea Azul. O primeiro passo para a concretização destas iniciativas foi dado aqui com os nossos debates”, comentou.

Expondo aos parlamentares que as ações em CT&I são um grande vetor para o progresso, o secretário frisou a necessidade de integrar os agentes e incentivar as atividades e pediu o apoio da Alepe: “Pernambuco é referência na área. Temos de integrar cada vez mais o Governo com a academia e o setor privado. Precisamos desburocratizar estas iniciativas. Damos exemplo à região com o nosso Marco Legal. É fundamental estimular as ações em CT&I e o legislativo pode dar uma parcela de contribuição imprescindível”, afirmou.