Time Secti apresenta ações do órgão na Campus Party Petrolina

by Ailton Pedroza
3 meses ago
126 Views

Time Secti apresenta ações do órgão na Campus Party Petrolina

Objetivo foi mostrar os programas que chegam aos municípios de Pernambuco

O primeiro dia da Campus Party Petrolina contou com a participação da Caravana de Inovação, por meio de um painel que teve como tema: o Papel e Estratégias de CT&I para Pernambuco. A iniciativa, que contou com a participação dos diretores e gestores da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), além do secretário de CT&I, Lucas Ramos, e do secretário executivo, Leonildo Sales, serviu para apresentar os projetos da Secti para o povo de Petrolina, no Sertão.

Carmelo Bastos, diretor de Ambiente de Inovação e Formação Superior da Secti, falou sobre os programas de interiorização de CT&I desenvolvido pelo Governo do Estado, por meio da Secti, e, também, sobre a estratégia que está sendo usada para formar 10 mil pessoas até o final de 2022, por meio do Programa Forma.Aí. “Esse é o maior programa estadual de formação de pessoas para as habilidades do futuro, com um investimento na ordem de 8,12 milhões”, disse ele, ao destacar os Espaços 4.0 que são laboratórios de tecnologias portadoras de futuro em Escolas Estaduais, de Ensino Médio e Centros Tecnológicos.

Na mesma ocasião, Bastos ainda falou sobre as tecnologias habilitadoras 4.0, apresentou o Parqtel, um hub para estimular inovação, competitividade capacitação empresarial para a manufatura avançada, integrando empresas, governo e universidade, o Armazém da Criatividade, o Porto Digital e o Itep.

“Viemos destacar a interiorização das políticas de CT&I de Pernambuco falando sobre programas a exemplo do ProStartup que tem o objetivo de acompanhar e apoiar a startup em todas suas etapas e, também, o Fundo Inovar, responsável pelo custeio da ação”, destacou Eduardo Peretti, gerente de Ambiente Legal, da Diretoria de Estratégias para a Inovação da Secti, ao destacar o momento histórico, pós pandemia que se começa a viver com a volta das ações presenciais.

“Precisamos de uma política, de uma estratégia de Ciência e Tecnologia que possa agregar todo o ecossistema de inovação. Aqui, dentro do estado de Pernambuco chamamos de Sistema Pernambucano de Inovação (Spin), decomposto por diversos seguimentos, diversos atores, a exemplo do Sebrae, do sistema S e instituições de ensino superior, associações, cooperativas”, disse o diretor de Políticas de CT&I e Competitividade da Secti, César Andrade, ao destacar que é necessário que se tenha uma política que permita que as pessoas possam se beneficiar. “E aí, a partir disso, essas políticas servirem como eixo norteador”, pontuou Andrade.

Alexandre Maciel, gerente Geral de Ambientes de Inovação da Secti, destacou o papel do Locus como indutor do fomento à inovação em diversas regiões do Estado. “O objetivo é credenciar ambientes propícios à inovação de Pernambuco formados a partir de consócios de instituições públicas e privadas que visem contribuir para a promoção do desenvolvimento científico e tecnológico promovendo o desenvolvimento do Cais ao Sertão”, explicou Maciel.

Por fim, Leonido Sales falou sobre a Usina Pernambucana de Inovação. “Precisamos levar a sério e criar instâncias que pensem em inovação para governo”, disse ele, ao destacar que a Usina Pernambucana de Inovação é um hub de inovação para ajudar o ecossistema dentro do poder executivo estadual. “Por isso, estamos fomentando o nascimento dos laboratórios de inovação em diversos secretarias estaduais para que, em conjunto, seja criado essa rede de ecossistema de inovação a qual a usina tem procurado atuar. A ideia é levar formação para esses laboratórios, fomento, recursos financeiros, por meios de bolsas da Facepe e editais. É conectar, fomentar, animar não só o poder executivo estadual, mas todos que tenham o interesse em participar”, finalizou ele.