SECTI APRESENTA TRABALHO EM CONGRESSO INTERNACIONAL

by Ailton Pedroza
2 semanas ago
196 Views

Pernambuco participou do XVIII Congresso da Associação Latino-Iberoamericano de Gestão Tecnológica (Altec) apresentando o aprimoramento das políticas de desenvolvimento regional com base na inovação, a partir da experiência entre Pernambuco e a União Europeia

A Diretora de Política e Articulações da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Luciana Távora, participou semana passada (entre os dias 30 de outubro e 1º de novembro) do XVIII Congresso da Associação Latino-Iberoamericano de Gestão Tecnológica (ALTEC) que foi realizado em Medellín, na Colômbia, para apresentar o resultado das trocas de experiências em relação às políticas de desenvolvimento regional com base em inovação entre Pernambuco e a União Europeia. Távora apresentou o estudo intitulado “A Estratégia de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco e a experiência com a RIS3: a convergência para um modelo de desenvolvimento baseado em inovação”

Luciana explicou que a troca de experiências sobre as políticas de CT&I entre os países e regiões do mundo é fundamental para o aprimoramento e eficácia das ações executadas pelos governos, academias e sociedades.

Ao longo dos anos 2015 e 2018, a Secti recebeu diversos grupos de pesquisadores da Comissão Europeia para trocar experiências e apresentar boas práticas na elaboração e implementação das políticas de desenvolvimento regional com base em inovação, em especial, das chamadas RIS3 – Estratégias de Pesquisa e Inovação para a Especialização Inteligente da Europa (da sigla em inglês, Research and Innovation Strategies for Smart Specialization). Nesse período, a Secti estava elaborando e executando a Estratégia de Ciência, Tecnologia e Inovação para Pernambuco (2017-2022) e pôde contribuir significativamente no processo.  As RIS3 são ferramentas importantes e bastante utilizadas nas políticas de desenvolvimento regional da União Europeia, constituindo-se metodologia de referência para promover mudanças estruturais das economias regionais a partir do viés da tecnologia e inovação, inclusive fora da Europa.