• 7 acontecimentos e descobertas que fizeram de 2017 um ano incrível para a ciência

    29 dezembro 2017
    428 Views
    Comments are off for this post

    Da BBC Brasil

    O ano que termina foi marcado por descobertas incríveis no mundo da ciência, algumas delas consagrando técnicas revolucionárias para salvar vidas ou observar fenômenos no espaço, e, nesse caso, a ajudar a entender melhor o Universo.

    Foi o ano do “sacrifício” da Cassini, a sonda que desvendou segredos de Saturno, mas também o ano da descoberta de um sistema planetário com sete planetas semelhantes à Terra orbitando um mesmo sol.

    Além disso, foi em 2017 que cientistas conseguiram desativar genes defeituosos no embrião abrindo uma importante frente na luta contra doenças hereditárias fatais.

    Relembre os principais destaques da ciência no ano, alguns dos quais prometem muitas novidades em 2018.

    1. Colisão de estrelas confirma previsão de Einstein

    Para a comunidade científica, 2017 entrará para a história como o ano das ondas gravitacionais.

    Em agosto, astrônomos dos observatórios Ligo, nos Estados Unidos, e Virgo, na Itália, conseguiram observar pela primeira vez a colisão entre duas estrelas mortas, ou estrelas de nêutrons, graças à detecção de ondas gravitacionais – flutuações no espaço-tempo previstas por Einstein há mais de um século.

    A primeira detecção das ondas gravitacionais fora anunciada em 2016, quando o observatório Ligo descreveu o fenômeno após analisar a fusão de dois buracos negros distantes. Na época, o evento foi considerado o início de um novo ramo da astronomia, que usa as ondas gravitacionais para coletar dados sobre fenômenos que ocorrem a grandes distâncias.

    A de agosto de 2017 foi a quarta vez na história em que eram detectadas ondas gravitacionais, e a primeira observação, por observatórios do mundo todo, de uma colisão de estrelas de nêutrons, o que levou a revista Sience a escolher o evento como a descoberta do ano.

    “A explosão confirmou vários modelos-chave da astrofísica, revelou como surgiram vários elementos pesados e testou a Teoria da Relatividade (de Einstein) como nunca antes”, justifica a Science.

    A colisão ocorreu em uma galáxia na constelação de Hidra.

    Alguns dos fatos ligados ao evento são impressionantes. Por exemplo, as estrelas de nêutron são tão densas que uma colher de chá de uma delas pesaria um bilhão de toneladas.

    Os pesquisadores também confirmaram que este tipo de colisão estelar é a origem do ouro e da platina no universo. “Essas estrelas são um laboratório de física extrema: é um material exótico, rico em nêutrons; e, quando são desmembradas, gera-se radiação exótica (…) que produz elementos como o ouro. É algo muito empolgante”, explicou o astrônomo inglês Martin Rees na ocasião da descoberta.

    2. O mergulho final da Cassini

    A sonda Cassini chegou às proximidades de Saturno em 2004. Nos 13 anos em que esteve ativa, os dados coletados por ela transformaram nossa compreensão do planeta e de suas luas.

    O veículo descobriu gêiseres espirrando água de um oceano subterrâneo no satélite gelado Encélado, observou de perto os mares e lagos de metano na maior lua de Saturno, Titã, e testemunhou uma tempestade gigantesca que circundou o planeta dos anéis.

    Mas a Cassini começou a ficar sem combustível, e a Nasa decidiu que era melhor destruir o satélite na atmosfera de Saturno, para que ele não colidisse com uma das luas, por exemplo, e a contaminasse com micróbios terrestres.

    No dia 15 de setembro, a Cassini mergulhou nas nuvens do planeta e se rompeu por completo – e ainda conseguiu mandar dados durante seus últimos momentos.

    Enquanto isso, cientistas da Nasa acompanhavam, emocionados, o fim da missão de mais de uma década.

    3. Um iceberg gigante se forma

    Em meados de julho, um dos maiores icebergs já registrado pela ciência se desprendeu da plataforma de gelo Larsen C, na Antártida.

    Os cientistas já vinham acompanhando o aumento de uma imensa rachadura na superfície do gelo há uma década.

    O bloco imenso de gelo cobria uma área de cerca de 6 mil km² – e representava cerca de 12% da plataforma Larsen C.

    A formação de icebergs das bordas de plataformas de gelo é comum. No entanto, os pesquisadores dizem que a Larsen C está, agora, em seu menor tamanho desde o fim da última Era do Gelo, há cerca de 11.700 anos.

    Ainda será preciso estudá-la mais para entender como a plataforma está respondendo ao aquecimento global.

    O futuro da plataforma também é incerto, mas, se ela entrar em colapso, poderia liberar geleiras com água suficiente para aumentar os níveis globais dos oceanos em um centímetro.

    4. Edição genética contra doenças

    Pela primeira vez na história, uma equipe de cientistas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul conseguiu corrigir, em embriões humanos, um gene defeituoso responsável por uma doença cardíaca mortal hereditária que afeta uma a cada 500 pessoas. Eles usaram a técnica da edição genética.

    A doença, chamada de miocardiopatia hipertrófica – pode fazer com que o coração pare de bater, provocando uma morte súbita.

    Ela é causa por um erro em um só gene (uma instrução no DNA) e qualquer pessoa que o tenha tem 50% de chances de transmiti-lo a seus filhos.

    A nova técnica de edição do gene, realizada durante a concepção do embrião na fertilização in vitro, foi desenvolvida no ano passado na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e é descrita como uma “cirurgia química” de precisão.

    O procedimento abre a porta para a prevenção de cerca de 10 mil distúrbios que são transmitidos de geração a geração, segundo os pesquisadores.

    Em setembro, outra equipe – desta vez da China – disse ter conseguido corrigir embriões humanos que continham o gene recessivo de uma doença hereditária do sangue conhecida como talassemia. Neste caso, as duas cópias do gene (a que vem do pai e a que vem da mãe) contêm a mutação.

    5. Sete planetas como o nosso

    Em fevereiro, cientistas relataram a descoberta de um sistema planetário com sete planetas de tamanho similar ao da Terra. Todos orbitavam uma estrela chamada de TRAPPIST-1, que fica a 41 anos-luz do Sol.

    A estrela – fria e com pouca massa – fica na constelação de Aquário. É a primeira vez que são descobertas estrelas de tamanho tão semelhante ao nosso orbitando a mesma estrela.

    Isso poderia indicar que a Via Láctea está, na realidade, repleta de corpos celestes que se parecem, em tamanho e relevo, ao nosso mundo rochoso.

    Três dos planetas da TRAPPIST-1 estão na chamada zona habitável, órbitas relativamente temperadas onde a água pode permanecer líquida na superfície.

    Estes são alguns dos planetas mais interessantes para serem explorados nos próximos anos. Se pode haver água, pode haver alguma chance de vida.

    6. Um novo membro da família

    Em julho, pesquisadores revelaram os fósseis de cinco humanos pré-históricos encontrados no norte da África que mostravam que a nossa espécie, o Homo sapiens, teria surgido ao menos 100 mil anos antes do que se acreditava.

    A descoberta indica que nossa espécie não teria se desenvolvido em um único “berço” no leste da África. Na verdade, os humanos modernos poderiam estar evoluindo na mesma direção em todo o continente.

    O ano de 2017 também teve outras grandes notícias no campo da evolução humana. Pesquisadores chamaram a atenção de todo o mundo quando, em 2015, mostraram os restos de 15 esqueletos parciais pertencentes a uma nova espécie de humano, o Homo naledi.

    Na época, no entanto, eles não conseguiam determinar com certeza a idade dos ossos – alguns traços sugeriam que eles pudessem ter até 3 milhões de anos de idade.

    Este ano, o líder da equipe, Lee Berger, anunciou que os fósseis tinham entre 200 mil e 300 mil anos. Longe de ser um ancestral do Homo sapiens, o Homo naledipode, na verdade, ter convivido com membros da nossa espécie.

    7. O visitante interestelar

    Mesmo prevendo há anos que seríamos visitados em algum momento por um asteroide interestelar, 2017 foi a primeira vez em que vimos um.

    Descoberto por uma equipe de cientistas usando o telescópio havaiano Pan-Starrs em outubro, o objeto foi batizado de “Oumuamua”, que significa “mensageiro de longe que chega primeiro” na língua local.

    Sua velocidade e trajetória foram os primeiros indicativos de que ele vinha de fora do nosso Sistema Solar.

    Mas o Oumuamua não é só o primeiro visitante de fora, mas também um dos corpos celestes mais longos que já se viu. Seu formato, semelhante a um charuto, chamou a atenção dos pesquisadores.

    Uma campanha de observação do objeto usando os telescópios mais potentes do mundo mostrou que ele não levava algum tipo de tecnologia inteligente, mas que poderia conter água em seu interior.

    Ao medir a maneira como o Oumuamua reflete a luz do sol, os pesquisadores concluíram que ele é semelhante a objetos gelados do nosso próprio sistema solar, que estão cobertos por uma camada seca.

     

    Fonte: BBC Brasil – http://www.bbc.com/portuguese/geral-42479698

    Leia Mais
  • Secti faz balanço das ações de 2017

    27 dezembro 2017
    406 Views
    Comments are off for this post

    Conectividade e qualificação de recursos humanos, além da integração de habitats de inovação

    e fortalecimento de territórios inovadores, foram alguns dos destaques

    No terceiro ano do governo Paulo Câmara, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) concentrou suas iniciativas no sentido de preparar Pernambuco para a transição digital em curso no mundo. Em reunião de balanço com a equipe, a secretária Lúcia Melo destacou a implementação de projetos que ampliam a conectividade no estado e qualificam recursos humanos em áreas mais tecnológicas. Também foram citadas ações de integração de habitats de inovação, como o Parqtel e o Porto Digital, e de fortalecimento dos territórios inovadores, como os Arranjos Produtivos Locais (APLs).

    Oficialmente lançada no último 11 de julho e com decreto publicado em novembro, a Estratégia de Ciência, Tecnologia e Inovação para Pernambuco (2017-2022) norteou as ações e iniciativas da pasta a partir de seis eixos estratégicos. “Nós consolidamos uma política de CT&I para o Estado e tiramos do papel ações que se integram”, destacou, Lúcia Melo, citando como eixos centrais da Estratégia o desenvolvimento de talentos e criatividade, a expansão da economia e sociedade digitais, a aceleração da inovação nas atividades econômicas, a cooperação e transferência de conhecimento, o ambiente favorável à inovação e a governança e responsabilidade.

    Em 2017, outra atuação significativa veio da Facepe que, apesar da crise enfrentada, recebeu do governador Paulo Câmara o maior patamar de recursos de sua história e contribuiu com a implantação de algumas políticas públicas. Ao longo deste ano, R$ 70,5 milhões foram liberados pela fundação, sendo R$ 55 milhões do Tesouro Nacional e R$ 15,5 milhões de instituições parceiras, e aplicados em editais, bolsas e outros auxílios.

    Ações de destaque em 2017

    PROUPE 2.0 – A requalificação do Programa Universidade para Todos (PROUPE), através da nova Lei nº 16.166, 19 de outubro de 2017, decreto e portaria, possibilitou a priorização nas bolsas das áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia, Matemática e Computação, conhecidas como STEM+C (da sigla em inglês). A mudança teve o objetivo de priorizar ainda mais áreas que estão no cerne da criação de inovações e aprimorar a exigência de qualidade mínima dos cursos contemplados. O novo edital já foi lançado, oferecendo 1.300 bolsas para 2018. Em 2017, foi mantida uma média mensal de 5.200 bolsas com investimento de R$ 9,75 milhões.

    Makers of Tomorrow – Oferecido pela Universidade de Pernambuco (UPE) e estruturado com entidades públicas e privadas, o curso de especialização Strictu Senso apoia a formação de empreendedores de alta tecnologia. A intenção é formar recursos humanos qualificados com as habilidades sócio-técnicas necessárias para a indústria do futuro. As inscrições estão abertas até fevereiro e a previsão é de início em março de 2018. Serão oferecidas 30 vagas.

    RePEPE – Instituída pelo decreto nº 44711, de 11 de julho de 2017, a Rede Pernambucana de Pesquisa e Educação (RePEPE) está em fase de instalação de seu backbone (cabeamento principal). O investimento estadual é de R$ 7 milhões e o projeto conta com a Chesf, a Celpe e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) como parceiros. Em 2018, espera-se que seja feito a iluminação das fibras óticas e abertura em 20 municípios, implementação do lote 1 dos anéis metropolitanos em seis municípios, além do início da implementação de pontos estaduais nos outros 14 municípios, integração com o PE Conectado e definição da governança da rede. A expectativa é beneficiar instituições de pesquisa e educação, além dos arranjos produtivos locais.

    Requalificação do Parqtel – Buscando fortalecer os habitats de inovação, o Parque Tecnológico de Eletroeletrônicos e Tecnologias Associadas de Pernambuco (Parqtel) passou por uma requalificação. Sua incubadora tem quatro projetos instalados e dois novos em processo de instalação, iniciativas que já foram, inclusive, premiadas em prêmios nacionais. O Parqtel também implantou o Centro de Manufatura Avançada (CMA) com os laboratórios de Robótica Aplicada e de Prototipagem Mecânica Rápida, impressora 3D e braço robótico.

    PROAPL/ BID – Com o objetivo de acelerar a inovação nas atividades econômicas, o Programa de Produção e Difusão de Inovações para a Competividade dos Arranjos Produtivos Locais do Estado de Pernambuco (ProAPL) atuou nos quatro APLs: de Confecção, Laticínios, Vitivinicultura e Gesso. Com recursos do BID, o investimento aproximado de R$ 15 milhões foi direcionado a ações como aquisição de uma mesa de risco e corte automatizada e de outros equipamentos, missões empresariais, consultorias e elaboração de Plano de Melhoria da Competitividade, além de ações transversais, como a instalação da RePEPE, que possibilitará a conectividade dos arranjos.

    Projeto RIS 3 – A segunda fase do Projeto aconteceu em 2017, quando foram realizados estudos, coordenados pela Universidade de Coimbra, referentes aos setores de Confecções e TI/Automotivo. Em Bruxelas, houve a apresentação do RIS3 – PE e da ECT&I-PE. Em Pernambuco, também foram realizados workshops, entrevistas visitas técnicas e aplicação de questionários. No fim de 2017, pesquisadores e empresários participaram de uma missão técnica empresarial, resultando na criação de novas cooperações internacionais e institucionais. Todo o trabalho gerou a criação de seis relatórios. Agora, a perspectiva é que sejam criadas novas oportunidades de financiamento para as ações já sugeridas.

    Programa de apoio a Startups – O destaque foi o workshop com atores do ecossistema local e grupos de trabalho, além da identificação de casos de sucesso na programação de startups, definição de agenda de trabalho, prospecção de recursos, mobilização de parceiros e assinaturas de convênios. O programa terá como eixos de ação a geração de novas startups e a consolidação das startups. Como perspectiva para 2018, está o fortalecimento do Programa Rede de Incubadoras de Pernambuco e do Programa de Desenvolvimento de Mercado para Empreendedores de Segmento Tecnológico.

    Marco Legal Pernambucano – O destaque é a elaboração da proposta do Marco Legal para Pernambuco encaminhada à Secretaria Estadual de Administração e de Planejamento para apreciação. Além da revisão do INOVAR- PE, através de alinhamento entre alguns órgãos.

    Leia Mais
  • UPE firma convênio de cooperação técnica com a Universidade de Illinois nos EUA

    26 dezembro 2017
    492 Views
    Comments are off for this post

    A Secretária de Ciência, Tecnologia e Inovação, Lúcia Melo, e o Magnífico Reitor da Universidade de Pernambuco (UPE), Pedro Falcão, receberam na manhã desta terça-feira (26/12) a Professora da Universidade de Illinois, Anu Gokhale, para firmar acordo de cooperação técnica entre a UPE e a Universidade norte-americana, para atividades de pesquisa relacionadas com estudos da área de saúde, beneficiando os alunos dos hospitais universitários da UPE.

    A professora Anu A. Gokhale, da Universidade do Estado de Illinois, EUA, é coordenadora do programa de tecnologia de sistemas computacionais na Universidade Estadual de Illinois (USA), e está temporariamente locada na Universidade de Pernambuco (UPE) pelo Programa Cátedra Fulbright promovido pela FACEPE. Ela já desenvolve atividades de pesquisa, planejamento em novas metodologias de ensino de Ciência, Tecnologia, Engenharia, Matemática and Computação (STEM+C) à distância (juntamente com a UPE e a SECTI).

     

    Leia Mais
  • AVISO DE COTAÇÃO – CONTRATAÇÃO EMERGENCIAL EMPRESA ESPECIALIZADA EM SERVIÇOS LIMPEZA E CONSERVAÇÃO PREDIAL

    22 dezembro 2017
    830 Views
    Comments are off for this post

    A SECRETARIA DE CIENCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO – SECTI avisa aos interessados que receberá propostas de preços para a contratação em caráter emergencial, fundamentada no artigo 24, inciso IV da Lei nº 8.666/93, para contratação de empresa especializada em serviços limpeza e conservação predial, com vistas a atender às necessidades da SECTI, Espaço Ciência e Parqtel.

    Toda documentação encontra-se cadastrada no sistema PE INTEGRADO através do processo de cotação nº 1446-12/17. Demais informações através do email: felipe.guerra@secti.pe.gov.br ou pelo  telefone: (81) 3183.5565 .

    As propostas deverão ser apresentadas através do sistema PE INTEGRADO até o dia 29/12/2017 às 17h00 (Horário local).

    Leia Mais
  • A FACEPE lança o edital BIA 2018 com oferta de 200 bolsas e mensalidade reajustada para R$ 400,00

    21 dezembro 2017
    1202 Views
    Comments are off for this post

    A FACEPE lança o edital para concessão de Bolsas de Incentivo Acadêmico (BIA) a projetos institucionais apresentados por qualquer IES pública de Pernambuco, federal ou estadual.

    O objetivo do Programa é incentivar a adaptação à vida acadêmica e a inserção em atividades de ensino, pesquisa e extensão de alunos egressos da rede pública de ensino que obtiveram as melhores classificações nos exames vestibulares das Instituições públicas de Ensino Superior (IES) de Pernambuco, federais ou estaduais, buscando evitar que, por carência de recursos financeiros, estes alunos abandonem os cursos ainda no primeiro ano de estudo.

    Será concedido um total de 200 bolsas para 1º e 2º semestres de 2018 (100 para cada), com valor unitário de R$400,00/mês.

    O prazo para submissão se encerrará em 02/02/2018.

    Acesse o Edital.

    Leia Mais